quinta-feira, 11 de junho de 2015

Lavabos

Eles recebem visitas e geralmente estão localizados próximos à entrada social. Junto com o hall de entrada tem a função de cartão de visita, mas por serem pequenos, geralmente são os últimos a serem lembrados na hora da decoração. 
Não existe uma regra, sempre é preciso analisar o projeto arquitetônico completo da casa ou comércio e não somente do ambiente isolado.
 
 
 
 
Alguns truques que dão a sensação de amplitude, como a utilização de espelho e tonalidades claras, são bem interessantes e podem ser aplicados sem medo. Para dar a  ilusão de extensão e profundidade, vale também aplicar alguma cor que combine com as peças em apenas uma das paredes. Na primeira imagem o lavabo de 2m², a cuba e o vaso sanitário em inox marcam a sofisticação do ambiente.

Já na segunda imagem acima, a torneira de teto é o destaque. A peça tem design exclusivo da arquiteta Samira Jarouche. Com cores contrastante, como o preto e amarelo, a decoração deste lavabo de 2,70m², refletiu a identidade dos clientes.
 
 
 
 O design foi o ponto de partida para os lavabo de 2,30m² e 2m². Projeto que ganha evidência com tons escuros em contraste com o piso claro, deixando o ambiente mais autêntico. Destaque para a torneira bambôo  e as frases adesivadas do filme Matrix. Criação de acordo com as preferências estéticas e estilo de vida de um jovem casal.
 

 

 
 


quarta-feira, 3 de junho de 2015

Decoração industrial part.2: Móveis e Objetos para te ajudar na decoração

O estilo Industrial de decoração está super em alta, e para ajudar a compor o ambiente destacamos algumas peças coringa que com certeza deixará seu espaço ainda mais personalizado.

O conceito é utilizar peças rústicas com aparência antigas, inacabadas ou imperfeitas, as peças vintage também é destaque nesses espaços. As cores mais presentes são o preto e o cinza mas para que o ambiente não fique tão frio você pode utilizar  em algumas peças uma cor de destaque como o verde militar, amarelo ouro, vermelho bordô, entre outras.
 

1.Armário e Estante:

 

 
 
 
2. Banco e Cadeira:
 
 

3. Mesa e Aparador:


4. Carrinho de bar e Gaveteiro:


E como se isso já não fosse o suficiente, os objetos de  decoração completa  o ambiente com chave de ouro.








Você pode encontrar algumas dessas peças e muitas outras nos sites.

http://www.velhabahialoja.com.br

http://www.atelierindustrial.com





terça-feira, 26 de maio de 2015

Decoração industrial part. 1

O estilo industrial partiu da transformação de galpões e estúdios em residências , utilizando se das próprias características do local como tijolos, tubulações, madeira, metal e concreto . O próprio espaço amplo sem paredes integra os ambientes e criando uma funcionalidade e elegância ao local. O estilo remete ao brutalismo arquitetônico inserido na decoração já que o conceito é manter os materiais aparentes e com o mínimo possível de acabamento.

Esse estilo possui uma característica urbana, sóbria e um pouco fria , porem com alguns detalhes é possível deixar bem acolhedor!

Algumas ideias para se inspirar confira!!




 Cozinha Gourmet- Alexandre lobo e Fabio Cardoso
(foto. André Nazareth)


Residência Casa Maracanã, escritório Terra e Tuma Arquitetos Associados
(foto. acervo Terra e Tuma Arquitetos Associados)
 
 
 
Loft no Rio - Ana Lila Denton e Juarez Farias 
 (foto. André Nazareth)

Estúdio A - Roberta Moura, Paula Faria e Luciana Mambrini
(foto. André Nazareth)
 
imagens Google
(sem referencia, arquiteto e fotógrafo responsável)

terça-feira, 12 de maio de 2015

Studio Fuksas e sua abordagem inovadora

Massimiliano Fuksas conhecido por suas estruturas imaginativas e formas ousadas, está a frente do Studio Fuksas juntamente com sua esposa Doriana.

Com escritórios em Roma, Paris e Shenzhen, por mais de quatro décadas seu trabalho tem sido projetar planos diretores, escritórios, edifícios residenciais e públicos, projetos de infraestrutura, culturais, de lazer e centros de varejo, bem como interiores e produtos.

Além de ter ganhado vários prêmios, Fuksas também foi o Diretor da "VII Mostra Internazionale di Architettura di Venezia" e é autor da coluna arquitetura na revista italiana "L'Espresso" desde 2000.
(www.manss.com/br/Projeto/Website-para-Fuksas-Studio). Acessado em 22de abril de 2015.

Fuksas é caracterizada por uma abordagem inovadora, suas obras se destacam pelas formas esculturais orgânicas formadas pelo aço, vidro e concreto . Abaixo podemos observar algumas das obras onde é visível a utilização desses materiais e o conceito utilizado para sua criação.
 

Nova Feira de Milão


Massimiliano  inspirou-se nos elementos intrínsecos na paisagem circundante. O conceito foi ainda mais refinado através de numerosas interações dentro do campo digital, o qual tem um importante papel na manutenção da continuidade do modelo escultural original – e ainda na eventual construção da fluída cobertura que envolve todo o projeto.  A fim de demarcar as várias funções dos edifícios, as salas de exposições têm fachadas laranja voltadas para a cobertura, os restaurantes e cafés têm suas fachadas alinhadas ao corredor ao ar livre, dando uma característica curvilínea, as salas de reuniões recebem um revestimento de aço inoxidável e estão na altura da passarela, e os espaços de escritório estão em caixas de vidro que se alinham à passarela.
 
A cobertura é independente, ela flutua sobre partes do telhado dos edifícios adjacentes e desce dramaticamente ao solo na forma de um vórtice parabólico, desafiando o arquétipo tradicional do conceito de cobertura.
(www.archdaily.com.br). Acessado dia 22 de abril de 2015.
Foto: Maurizio Marcato. Fonte: Studio Fuksas.

 


Nardini centro Ricerche e Auditorium

 
Ao nível do solo, o plano refletindo água, cria um espaço para reflexões e brilha na área de entrada localizado sob as duas bolhas, que parecem flutuar "suspenso" no ar. As clarabóias mergulhadores, filtrar a luz do dia e da propagação no espaço subterrâneo, enquanto que à noite eles se transformam em fontes de luz. As colunas delgadas, com ângulo diferente, criando uma tensão dinâmica com o volume do eixo oblíquo. O visitante abre uma sucessão de pontos de vista em constante mudança, a assimetria calibrado gerada pelos diferentes elementos arquitectónicos: os dois elipsóides cambaleou e sobreposição, o elevador oblíqua oposição all'aerea escala, rotação da rampa de entrada.

Dois sinais: um refinado, elegante, tecnológico, imaterial. O mais brutal, onde o material, concreto armado, tornar-se epifania do formulário.

As colunas que sustentam os edifícios parecem ancorá-los para a Terra. O brilho da água cria um plano de espelho. Locus de uma homologia absurdo onde o espaço vibra e se expande. A apenas 5 cm de profundidade de água são transformados em vários metros de altura. Caminhada na passarela oferece emoções intensas.
(
www.fuksas.com). Acessado dia 22 de abril de 2015.
Foto: Maurizio Marcato. Fonte: Studio Fuksas.

 


Aeroporto Internacional de Shenzhen Bao’an


O conceito da proposta para o Terminal 3 do aeroporto internacional de Shenzen Bao’an evoca a imagem de uma arraia, um peixe que respira e muda sua própria forma, sofre variações, transforma-se em um pássaro para celebrar a emoção e a fantasia de um voo.

O elemento simbólico da proposta é o padrão de favos de mel que conforma uma "pele" dupla interna e externa, envolvendo a estrutura. Através de sua dupla camada, a "pele" permite a entrada de luz natural, criando, assim, efeitos lumínicos nos espaços internos. O revestimento é feito de metal moldado em forma de alvéolos e painéis de vidro de diferentes tamanhos que podem ser parcialmente abertos.

O padrão de favos de mel é transferido e replicado no projeto dos espaços internos. Quiosques comerciais, distribuídos pelo saguão, reproduzem o padrão em diferentes escalas.

Objetos esculturais - as grandes árvores brancas estilizadas - foram projetadas para ajudar no controle climático interno. Seu projeto, assim como o de todo o terminal, apresenta uma forma amorfa inspirada na natureza.
(
www.archdaily.com.br). Acessado em 22 de abril de 2015.

Foto: Arquivo Fuksas. Fonte: Studio Fuksas.
 
 

Tbilisi, Camara de Serviços Públicos


O edifício de 28,000 m² é composto por 7 volumes de 4 andares de escritórios. Esses volumes se dispõem em torno de uma “praça central”, que é o elemento núcleo do projeto, onde se fazem os atendimentos primários. Os escritórios estão interconectados por passarelas internas ao longo dos diferentes níveis. Os volumes e a praça central são resguardados por uma cobertura em formato de “pétalas”, as quais são formal e estruturalmente diferentes do resto do edifício. Três dessas grandes estruturas cobrem o espaço central.

As pétalas atingem cerca de 35 metros, suportadas por uma estrutura de pilares de aço em forma de árvore que fica exposta tanto no interior como o exterior do edifício. Dentro do prédio encontram-se alguns serviços como o Banco Nacional da Geórgia, o Ministério da Energia e o Registro Civil e Nacional.
(
www.archtendencias.com.br). Acessado dia 22 de abril de 2015.
Foto: Moreno Maggi. Fonte: Studio Fuksas.


 

terça-feira, 5 de maio de 2015

Cobogó elemento arquitetônico 100% Brasileiro

 
O cobogó é um tijolo vazado, inicialmente feito de cimento, que formam painéis quando colocados uns sobre os outros. Sua funcionalidade é garantir a estrada de luz e permitir uma ventilação controlada mantendo a privacidade do espaço interno.
 
O conceito foi adaptado em diversos materiais, como madeira, vidro, gesso, cerâmica, mármore entre outros. Pode ser utilizado em ambientes internos e externo, em paredes, fachadas e até mesmo em divisões de ambiente criando uma estética agradável proporcionando um efeito de sombra ao espaço.
 
Seu nome diferente  surgiu  a partir junção dos sobrenomes de seus criadores os arquitetos pernambucanos  Amadeu Oliveira Coimbra, Ernest August Boeckmann e Antônio de is.

Foi criado na década de 20 mas se popularizou na década de 50 e 60 quando foi utilizado em obras de grandes arquitetos modernistas.

 
 

 
Edifício Pedregulho, projetado pelo arquiteto Affonso Eduardo Reidy (imagens: Google)

Neste projeto a função do cobogó é otimizar a insolação direta recebida pela facha. O elemento ainda causa um conforto visual com as sombras que se formam no corredor de acesso aos apartamentos.

  
 
Edifício Bretagne, projetado pelo arquiteto João Artacho Jurado (imagens: Google)

O cobogó nesse projeto foi utilizado como elemento estético nas áreas de uso comum do edifício, proporcionando uma sensação de conforto e bem estar. 
 
 
 

O cobogó não é um elemento antiquado, pelo contrário, ele foi se adaptando aos anos  e hoje  ele oferece perfuração de desenhos e dimensões variadas, utilizado também em obras de arquitetos contemporâneos atuais.
Hospital Cidade Tiradentes, projetado por Borelli Merigo Arquitetura e Urbanismo e Walter Makhoh (imagens: Google)
 

 
Casa Cobogó, projetada por Marcio Kogan e Carolina Castroviejo (imagens: Google) 
 

 

 
Hoje é mais comum a utilização em ambiente internos em diversas formas e cores, como podemos observar nas imagens abaixo.
 
(imagens: Google) 
 
 

 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Living Versátil - férias com design e funcionalidade!

Férias com design e funcionalidade, esse foi o desafio proposto a arquiteta Samira Jarouche que assina o projeto do Living Versátil para a 9.a Mostra de Decoração do espaço Veja SP que acontece na Riviera de São Lourenço.
Samira Jarouche adotou como partido principal a integração de ambientes, considerando privacidade para as pessoas em momentos de descanso, porém voltado para um ar praiano mais moderno, um local onde esquecemos do dia a dia do trabalho e cidade mas com todo conforto e tecnologia que possuímos em casa.
Foram utilizados materiais e móveis com referências naturais e ecológicas, um dos destaques são a parede e o teto que recebem papel de parede que imitam madeira. Quadros em stônia do artista Enrique Rodriguez foram sobrepostos nestas duas faces que contribuem com um efeito todo harmonioso, porém inusitado.
A arquiteta se preocupou em montar um ambiente que lembrasse a natureza, a praia, mas priorizando uma decoração limpa com aspecto descontraído.
A versatilidade de todo o espaço chama atenção dos visitantes, pois o Living é dividido em duas áreas, a sala estar e o quarto, este ultimo transforma-se em uma brinquedoteca. Este quarto possui uma cama retrátil que quando está recolhida libera espaço para a brinquedoteca, mas quando a cama está aberta, esse ambiente torna-se um quarto com privacidade e fechado por uma persiana também retrátil.
Outro destaque é a automação feita pela empresa Nextthouse. Uma tela de 90” em cristal compõe o home theater e através do celular ou do ipad você pode controlar a iluminação, o que quer ouvir ou assistir. O Living Versátil é todo integrado e muito funcional.

A mostra estará aberta ao público até dia 28 de janeiro 2012, das 16hs às 01hs.
Tela de 90" em cristal compõem o home e está integrada a automação feita pela empresa Nextthouse Automation Projects
Papel de parede imita madeira e compõem com quadros em Stônia do artista Enrique Rodriguez.


A cama é retrátil e o quarto se transforma em brinquedoteca.

9.a Mostra de Decoração espaço Veja SP
Local: Riviera São Lourenço – SP
Data: de 27 de dezembro 2011 à 28 janeiro 2012
Horário: 16:00hs às 01:00hs

 Agradecimentos:
Bahse - Vista sua casa - futons
Casa Cenário – moveis e decorações
Casa Fortaleza – persianas, cortinas e papel de parede
Enrique Rodriguez – quadros Stônia
Lit Concept – cama retrátil
Mauro Maria – esculturas em ferro
MMP Soluções – elétrica e pintura.
Murilo Marcenaria
Nextthouse – automação
Sherwin Williams – tintas
Tabriz Collection – tapetes
Tec Lustres – iluminação decorativa

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

NÃO a Internacionalização da Amazônia!!!


 Meu blog é sobre arquitetura e design de interiores e não postaria algo que não fizesse parte desse contexto, porém, faço questão em divulgar um acontecimento praticamente censurado! Vale a pena tomarmos conhecimento...parabéns ao senador CRISTÓVAM BUARQUE!

Durante debate em uma universidade, nos Estados Unidos,o ex-governador do DF, ex-ministro da educação e atual senador CRISTÓVAM BUARQUE, foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia.

O jovem americano introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um Humanista e não de um brasileiro.

Esta foi a resposta do Sr.Cristóvam Buarque:

"De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso.

"Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

"Se a Amazônia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro.O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço."

"Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

"Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França.
Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural Amazônico, seja manipulado e instruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito, um milionário japonês,decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

"Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua historia do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.

"Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maiores do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.

"Defendo a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir à escola.
Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro.

"Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa!

ESTA MATÉRIA NÃO FOI PUBLICADA, POR RAZÕES ÓBVIAS. AJUDE A
DIVULGÁ-LA, SE POSSÍVEL FAÇA TRADUÇÃO PARA OUTRAS LÍNGUAS QUE DOMINAR.